In Textos

Me permito ser outra pessoa



Olha eu aqui de novo falando de você aos quatro ventos, enquanto a cama se esfria cada minuto mais. Jurei que não falaria de você para mais ninguém, mas percebi que posso falar aos quatro ventos que ninguém irá saber que você é você, e se alguém souber... bom eu negarei.
Nada nunca foi especifico, nada nunca foi esclarecido, apenas foi, e por ser assim foi bom, foi nosso.
O encaixe foi perfeito, a cada beijo, a cada mordida e a cada desejo. Lembro vagamente das madrugadas que você subia ao meu quarto e ali nos entregávamos sem ninguém sequer imaginar que estaríamos ali, como dois amantes de aventuras e perigos.

A noite parecia voar a cada toque e a cada sussurro, a sensação de perigo fez com que o encaixe fosse quase perfeito. O teu olhar foi o ponto de partida para aquele momento ser único, e eu por descuido acabei eternizando esse momento em minha mente.
Ainda consigo sentir a força das suas mãos me trazendo cada vez para mais perto do seu corpo, do seu sussurro ao pé do ouvido, e aquele gemido bem de levinho. Sinto o cheiro do seu perfume impregnado no meu corpo, e do seu coração se acelerando aos poucos.  Foi preciso apenas alguns instantes para que o encaixe dos nossos corpos ficasse perfeito, e que a sintonia que o nossos corpos já se encontrava nos daria um prazer indescrevível.

Oh céus, eram apenas 03:49am e eu estava no auge do prazer, estava completamente entregue a você, e também senti que você tinha se entregado a mim. Ficamos ali por algumas horas que mais pareciam minutos, e você ainda tinha que sair de fininho antes que alguém acordasse e acabasse com essa sensação de prazer junto com perigo que conseguiu fazer com que uma madrugada qualquer fosse a nossa madrugada qualquer.

Antes que me perguntem quem é você, já digo que é o carinha das 03:00am, e que me permitiu ser outra pessoa, ou melhor, permitiu que eu fosse eu mesma.

Related Articles

8 comentários: